Balança Comercial

Primeiro semestre fecha com mais compras do que vendas ao exterior

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Os números foram revelados pelo INE esta quinta-feira

As exportações de bens no primeiro semestre de 2018 subiram 6,6%. No entanto, o volume de importações foi superior nos primeiros seis meses do ano, ao atingir os 8,8%, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

Ainda assim, a compra de bens ao estrangeiro desacelerou face ao mesmo período do ano passado, quando o aumento tinha sido de 14,3%. O mesmo aconteceu com as exportações, que no primeiro semestre de 2017 tinham crescido 12,2%.

No entanto, foi no passado mês de junho, em comparação homóloga, que a diferença entre as compras e vendas de bens foi mais expressiva. As importações dispararam 18,1% no sexto mês do calendário, devido “ao significativo aumento” verificado na compra de combustíveis e lubrificantes a países fora da União Europeia, justifica o INE.

No mesmo mês, as exportações de bens aumentaram 8,6% face ao mesmo período do ano passado. Descontando o efeito dos combustíveis, o aumento das importações ficou-se pelos 10,3% enquanto as exportações registaram uma subida de 6,8%.

O défice da balança comercial em junho foi de 1 682 milhões de euros, o que se traduz num aumento de 641 milhões de euros em relação a junho de 2017. “Excluindo os Combustíveis e lubrificantes a balança comercial atingiu um saldo negativo de 999 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 231 milhões de euros em relação a junho de 2017”, explica o INE.

Olhando para a análise trimestral dos números, as exportações superaram ligeiramente as importações: 10,5% de vendas face a 10,4% de compras.

Já a comparação com o mês de maio volta a revelar uma desaceleração das exportações, que caíram 0,3%, enquanto as importações cresceram 8,3%. A diferença, segundo o INE, é o “reflexo das variações registadas no comércio Extra-UE em ambos os fluxos, já que no comércio Intra-UE se registaram variações nulas face ao mês anterior”.

No que diz respeito a bens exportados, os campeões de vendas em junho foram os combustíveis e lubrificantes, com um aumento de 36,9%, e o Material de transporte, com uma subida de 26,2%.

Já entre os bens importados o destaque vai também para os combustíveis, que registaram uma taxa de variação homóloga de 92,8%.

Em junho verificou-se ainda o aumento das exportações para Espanha, Alemanha e França. Em sentido inverso, o INE ressalva as vendas para Angola “que ao longo de 2018 têm registado sucessivos decréscimos, que em termos acumulados correspondem a uma diminuição de 15,5% no 1º semestre de 2018”.

No mesmo período Portugal aumentou o volume de compras a Alemanha e Espanha, enquanto as importações vindas do Brasil acumularam uma quebra de 58,9%.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Rui Coutinho / Global Imagens

Liveblog: Qual a receita de sucesso para exportar?

Porto de Sines.
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Vídeo em direto. Qual a receita de sucesso para exportar?

Mário Centeno, Ministro das Finanças. Fotografia: EPA/ANTONIO COTRIM

Portugal poupa 1,16 mil milhões em dois anos com pagamentos antecipados ao FMI

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Primeiro semestre fecha com mais compras do que vendas ao exterior