OE2020

PS quer acabar com vistos gold em Lisboa e no Porto

Ana Catarina Mendes, líder parlamentar do PS. Fotografia:  Pedro Rocha / Global Imagens
Ana Catarina Mendes, líder parlamentar do PS. Fotografia: Pedro Rocha / Global Imagens

O regime mantém-se mas apenas para investimentos imobiliários no interior do país e nas regiões autónomas.

O Partido Socialista quer eliminar os vistos ‘gold’ nas cidades de Lisboa e do Porto, limitando os investimentos ao interior do país, Açores e Madeira.

A proposta foi anunciada esta segunda-feira, no Parlamento, pelo grupo parlamentar do PS num pacote dedicado à habitação que inclui também o reforço de verbas para o programa “Porta-65” ou o apoio aos estudantes deslocados do ensino superior.

“A alteração aos vistos ‘gold’ com incentivo ao investimento nas zonas do interior e regiões autónomas, bem como quem criar emprego tem direito” ao visto dourado, indicou a líder da bancada parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes.

O objetivo, acrescentou a deputada socialista é “encontrar mecanismos que combatam a especulação imobiliária, ajudando a desenvolver as zonas do interior do país e das regiões autónomas”, assinalou.

A líder da bancada socialista acredita que esta restrição não vai diminuir o investimento estrangeiro.

Desde 2012, o regime de vistos ‘gold’ garantiu 8.207 autorizações de residência a investidores (e outras 14.007 a familiares) com a grande maioria, 7.735, a ter como contrapartida o investimento imobiliário. Mais de quatro mil vistos foram atribuídos a cidadãos chineses, seguindo-se brasileiros (863), turcos (380), sul-africanos (320) e russos (296).

Entre os critérios para conseguir uma autorização de residência estão a transferência de capitais no montante igual ou superior a 1 milhão de euros; a criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho; e aquisição de bens imóveis de valor igual ou superior a 500 mil euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

PS quer acabar com vistos gold em Lisboa e no Porto