Regulador dos seguros diz que investimentos do setor são fundamentais para economia

O presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) defendeu hoje que o setor é fundamental para o crescimento da economia portuguesa, desde logo pelos investimentos que faz, que ascendem a 50 mil milhões de euros.

O presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) defendeu hoje que o setor é fundamental para o crescimento da economia portuguesa, desde logo pelos investimentos que faz, que ascendem a 50 mil milhões de euros.


“No final do terceiro trimestre de 2017, a carteira de investimentos do conjunto das empresas de seguros sob supervisão prudencial da ASF ultrapassava 50 mil milhões de euros, o que corresponde a mais de um quarto do Produto Interno Bruto [PIB] português”, disse hoje José Figueiredo Almaça, na conferência organizada pela Associação Portuguesa de Seguros (APS, a associação que agrega as empresas seguradoras que operam em Portugal) em Lisboa.


Segundo dados da ASF, divulgados a semana passada, no final de setembro, o valor das carteiras de investimento das empresas de seguros totalizou 50,4 mil milhões de euros, mais 3,7% face ao início do ano.


Na abertura da conferência Portugal Seguro 2017, o presidente do regulador dos seguros citou o valor de investimentos para destacar o papel de “grande investidor” do setor segurador em Portugal, já que devido a ter um ciclo de produção invertido (primeiro recebe prémios dos clientes segurados e só mais tarde irá pagar compensações) tem grande disponibilidade de fundos e mobiliza esses montantes em investimentos a “médio e longo prazo”, com impacto no “crescimento da economia”, e funcionando mesmo como “estabilizador [da economia] em tempos de crise”.


José Almaça destacou ainda a importância do setor segurador na compra dívida pública, recordando que, no final de 2016, aquele detinha 10% do total de obrigações do tesouro emitidas pelo Estado português admitidas à negociação na Euronext Lisboa.


Assim, afirmou, o setor é “dos principais financiadores do Estado português, contribuindo para a estabilização das suas condições de financiamento”.


Ainda no final de 2016, o conjunto das empresas supervisionadas pela ASF tinha 3.000 milhões de euros investidos em títulos de dívida de empresas e cerca de 1.000 ME em fundos de investimento (de valores mobiliários e imobiliários) geridos por entidades portuguesas, disse José Almaça.


O presidente da ASF falou ainda do modo como o setor segurador investe, considerando que este diversifica investimentos e tem lógicas de investimento prudentes, “não especulativas”.


José Almaça recordou a crise financeira que Portugal viveu nos últimos anos, para dizer que apesar de seguradoras pertencentes a grandes grupos terem sido chamadas a “acorrer a entidades do próprio grupo”, nem sempre imunes a negócios arriscados, tal decorreu sem prejuízos de maior.


“Foi possível navegar por essas águas bastantes turbulentas sem nenhum naufrágio do setor, nem impactos no erário público a lamentar”, afirmou.


Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Governo trava acesso às pensões antecipadas

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal

Altice em negociações com dois bancos para lançar serviços financeiros

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde, no Martim Moniz,
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Carris Metropolitana: Área Metropolitana de Lisboa com marca única de autocarros

Outros conteúdos GMG
Regulador dos seguros diz que investimentos do setor são fundamentais para economia