Itália

Itália não muda orçamento nem que Bruxelas “mande 12 cartas”

Matteo Salvini, vice primeiro-ministro de Itália e líder de extema-direita. Fotografia: EUTERS/Remo Casilli
Matteo Salvini, vice primeiro-ministro de Itália e líder de extema-direita. Fotografia: EUTERS/Remo Casilli

A garantia foi dada pelo ministro Matteo Salvini

Matteo Salvini, líder da extrema-direita italiana e ministro do Interior, disse hoje que o governo de Roma vai manter o Orçamento do Estado para 2019 mesmo que a Comissão Europeia “mande 12 cartas”.

Na terça-feira, Bruxelas “chumbou” o orçamento italiano provocando de imediato críticas por parte do governo de Roma.

“De Bruxelas até podem mandar 12 cartas, os orçamentos não vão mudar”, disse Salvini à estação de rádio Rtl.

“Estamos aqui para melhorar a vida dos italianos, a mim parece-me um ataque com preconceitos (…) É um ataque à economia italiana porque alguém quer comprar as nossas ações a baixo custo”, acrescentou.

“Todos os orçamentos que passaram por Bruxelas nos últimos anos aumentaram a dívida italiana em 300.000 milhões de euros”, afirmou Salvini na mesma entrevista em que defendeu a estratégia do governo sobre o aumento dos gastos no setor público como forma de promover o crescimento.

A Itália elaborou objetivos para 2019 que preveem um défice de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), uma dívida de 130% e um crescimento de 1,5%.

Os números preocupam a Comissão Europeia que considera que os números sobre o crescimento são demasiado otimistas o que pode provocar o “risco” de aumento do défice da dívida.

Salvini afirmou que “segundo as previsões de Bruxelas” a Itália vai crescer 0,9%, mas, de acordo com o ministro, o governo italiano vai conseguir um crescimento maior.

“Como se paga a dívida com um crescimento de 0,9%? Nós propomos uma receita diferente porque apostamos no crescimento de Itália”, sublinhou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
apple one

Apple One junta vários serviços, chega a Portugal mas com limitações. O que tem

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen no discurso do Estado da União. EPA/OLIVIER HOSLET

Regra europeia poria salário mínimo português nos 663 euros

A  90ª edição da Micam, a feira de calçado de Milão, está agendada para os dias 20 a 23 de setembro, com medidas de segurança reforçadas. Fotografia DR

Calçado. Micam arranca este domingo e até há uma nova marca presente

Itália não muda orçamento nem que Bruxelas “mande 12 cartas”