Agências de rating

S&P melhora perspetiva e mantém rating da dívida

Fotografia:  EPA/JUSTINE LANE
Fotografia: EPA/JUSTINE LANE

A agência de notação financeira não mexeu no rating, mas sobe a perspetiva para positivo e destaca a consolidação das contas públicas.

Era a única das grandes agências de rating que ainda não tinha colocado a dívida pública portuguesa com uma perspetiva positiva. A Standard & Poor’s reviu o outlook de “estável” para “positivo”. Em março tinha subido a notação de BBB- para BBB, a melhor classificação dos últimos oito anos.

O Ministério das Finanças reagiu em comunicado referindo que “partir de hoje Portugal passa a ter uma perspetiva positiva por parte das principais agências de notação financeira, o que traduz a confiança e a credibilidade da política seguida pelo Governo.”

Falta ainda saber em detalhe a avaliação da agência de notação na nota que divulga em conjunto com a notação.

Mário Centeno refere que a S&P “destaca o reforço da resiliência da economia portuguesa, que traduz uma melhoria da composição, da maturidade e do custo associados à dívida externa”, indicando ainda “a mudança progressiva na composição do endividamento externo, com maior recurso a instrumentos de capital (por exemplo, o investimento direto estrangeiro) e o menor papel dos instrumentos de dívida.”

Em relação às contas públicas, o gabinete do ministro das Finanças destaca o facto de “a agência salienta o excedente primário de cerca de 3% alcançado em 2018, um dos maiores da área do euro, e que estima que se mantenha no período 2019-2022, reforçando a trajetória de redução do rácio da dívida pública.”

Centeno refere ainda que “a melhoria do rating da dívida pública portuguesa beneficia as condições de financiamento do Estado, das famílias e das empresas”, lembrando que “a taxa de juro das obrigações da República Portuguesa a 10 anos está hoje abaixo de 0,3% e o diferencial face às economias com melhor notação tem vindo a reduzir-se, estando hoje as taxas de Portugal em linha com as da dívida espanhola.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, momentos antes de falar aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, 3 de setembro de 2020. MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Défice público chega a 6,1 mil milhões em agosto, mas suaviza face a julho

Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Sinistros automóveis sem seguro custaram 4,7 milhões

Bosch testes rápidos

DGS aprova testes rápidos à covid da Bosch. Primeiro evento é a Volta a Portugal

S&P melhora perspetiva e mantém rating da dívida