Agências de rating

S&P melhora perspetiva e mantém rating da dívida

Fotografia:  EPA/JUSTINE LANE
Fotografia: EPA/JUSTINE LANE

A agência de notação financeira não mexeu no rating, mas sobe a perspetiva para positivo e destaca a consolidação das contas públicas.

Era a única das grandes agências de rating que ainda não tinha colocado a dívida pública portuguesa com uma perspetiva positiva. A Standard & Poor’s reviu o outlook de “estável” para “positivo”. Em março tinha subido a notação de BBB- para BBB, a melhor classificação dos últimos oito anos.

O Ministério das Finanças reagiu em comunicado referindo que “partir de hoje Portugal passa a ter uma perspetiva positiva por parte das principais agências de notação financeira, o que traduz a confiança e a credibilidade da política seguida pelo Governo.”

Falta ainda saber em detalhe a avaliação da agência de notação na nota que divulga em conjunto com a notação.

Mário Centeno refere que a S&P “destaca o reforço da resiliência da economia portuguesa, que traduz uma melhoria da composição, da maturidade e do custo associados à dívida externa”, indicando ainda “a mudança progressiva na composição do endividamento externo, com maior recurso a instrumentos de capital (por exemplo, o investimento direto estrangeiro) e o menor papel dos instrumentos de dívida.”

Em relação às contas públicas, o gabinete do ministro das Finanças destaca o facto de “a agência salienta o excedente primário de cerca de 3% alcançado em 2018, um dos maiores da área do euro, e que estima que se mantenha no período 2019-2022, reforçando a trajetória de redução do rácio da dívida pública.”

Centeno refere ainda que “a melhoria do rating da dívida pública portuguesa beneficia as condições de financiamento do Estado, das famílias e das empresas”, lembrando que “a taxa de juro das obrigações da República Portuguesa a 10 anos está hoje abaixo de 0,3% e o diferencial face às economias com melhor notação tem vindo a reduzir-se, estando hoje as taxas de Portugal em linha com as da dívida espanhola.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Outros conteúdos GMG
S&P melhora perspetiva e mantém rating da dívida