Transportadores recebem protocolo negocial que “não tem nada para o imediato”

As associações de transportes reuniram na quarta-feira com o Governo e receberam um protocolo negocial, que segundo a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) "não tem nada para o imediato".

As associações de transportes reuniram na quarta-feira com o Governo e receberam um protocolo negocial, que segundo a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) “não tem nada para o imediato”.


“Entregaram um protocolo negocial, esse protocolo vai ser apresentado aos associados da ANTP e eles vão tomar as providências de acordo com o que entendam que querem fazer. Temos medidas que podem ser benéficas para o setor a curto e médio prazo, mas para o imediato, que é quando o setor necessita, não temos nada que nos venha dar aqui um alento”, disse à Lusa Márcio Lopes, presidente da ANTP, no final da reunião.


Segundo o responsável, na reunião esteve um representante do Governo nomeado para liderar o grupo de trabalho, elementos da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), da Autoridade Tributaria e os representantes da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) e Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), com o secretário de estado a estar ausente.


“Segundo disseram, apresentaram aquilo que podem fazer. Não quero dizer que seja uma desilusão, serão os associados a decidir se se enquadra no que pretendem e esperavam. Todos vão tomar uma decisão e vamos fazer o que ficar delineado”, frisou.


Márcio Lopes referiu que foram abordadas muitas questões que estavam nos cadernos reivindicativos, mas recusou adiantar detalhes sobre o protocolo negocial.


“Vai tudo bater nos mesmos pontos, não vou estar a entrar em situações, este é um protocolo negocial, não é para falar de ponto a ponto. São todas as situações que não têm nada no imediato, têm é para curto e médio prazo e os associados é que vão decidir o que se irá fazer”, frisou.


Segundo o presidente da ANTP, a resposta a este protocolo será dada na segunda-feira, explicando que a ANTRAM também deve responder na mesma altura.


As associações reclamam a regulamentação do setor, a criação de uma Secretaria de Estado dedicada exclusivamente aos Transportes, a obrigatoriedade de pagamento no período máximo de 30 dias e a criação de um mecanismo para que a inflação também seja refletida no setor dos transportes.


O caderno reivindicativo prevê ainda que o preço dos combustíveis seja indexado ao preço dos transportes, isto é, refletido no custo dos serviços, melhores condições de trabalho para os motoristas e descontos nas portagens.


Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Transportadores recebem protocolo negocial que “não tem nada para o imediato”