INE

Turismo nacional com quebras “históricas” de 97% em abril

Fotografia: José Carmo/Global Imagens
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

São “históricas” as quebras no setor do alojamento turístico em Portugal, no mês de abril. Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados esta quarta-feira, registaram-se 60,1 mil hóspedes e 175,5 mil dormidas, o que reflete variações de -97,4% e -97,0%, respetivamente – já em março tinham sido de -62,6% e -58,7%.

Os números confirmam a paralisação quase total do turismo por força da pandemia. E os poucos turistas que pernoitaram em alojamentos turísticos, no mês passado, foi diferente do habitual: “por exemplo hóspedes que ficaram retidos em Portugal sem possibilidade de regressarem ao seu país de residência, ou pessoas que, por motivos profissionais, tiveram de se deslocar no país e pernoitar fora do seu local de residência”, destaca o INE.

O decréscimo de dormidas de residentes foi de 93,0% (-58,1% em março) e de não residentes alcançou os 98,6% (-58,9% no mês anterior). Os proveitos totais do setor do alojamento turístico apresentam uma variação negativa de 98,3% (-59,9% em março), situando-se em apenas 5,7 milhões de euros. “Todas as regiões registaram decréscimos expressivos nos proveitos em abril, com maior enfoque na Região Autónoma dos Açores (-99,9% nos proveitos totais e nos de aposento) e na Região Autónoma da Madeira (-99,7% nos proveitos totais e -99,6% nos de aposento).”

Em pleno estado de emergência, “cerca de 83,1% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes”.

A quebra nas dormidas na hotelaria (54,6% do total) foi de 98,1%, no alojamento local (peso de 40,4% do total) foi de 91,4% e no turismo rural e de habitação (quota de 5,0%) chegou aos 94,2%.

INE turismo

No global dos estabelecimentos de alojamento turístico em Portugal, o rendimento médio por quarto disponível situou-se em apenas 4,5 euros em abril, o que correspondeu a um decréscimo de 90,1% (-57,0% em março). Esta queda de preços refletiu-se numa variação de -92,2% na hotelaria, -80,7% no alojamento local e -69,8% no turismo rural e de habitação.

Já o valor correspondente ao rendimento médio por quarto ocupado, no conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, atingiu os 47,8 euros em abril, ou seja, caiu 40,7% (-6,8% em março).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Turismo nacional com quebras “históricas” de 97% em abril