Docapesca

Vendas de pescado atingem recorde de 212 milhões

Fotografia: Tony Dias/Global Imagens
Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

O polvo-vulgar, a sardinha, o carapau, o biqueirão e a cavala foram as espécies mais relevantes em valor de vendas,

As vendas de pescado nas lotas e postos de Portugal Continental, sob gestão da Docapesca, atingiram os 212,3 milhões de euros no ano passado, um crescimento de 3,3% face aos 205,5 milhões do ano transato. Este foi o “valor mais elevado desde que existem registos estatísticos sistematizados”,m sublinha a empresa tutelada pelo Ministério do Mar. A quantidade de pescado aumentou 12,7% para 112,6 mil toneladas.

A lota de Peniche foi responsável por vendas de 31,9 milhões de euros, seguindo-se Sesimbra (29,4 milhões), Matosinhos (24,6 milhões), Aveiro (17,7 milhões) e Vila Real de Santo António (14 milhões). O polvo-vulgar, a sardinha, o carapau, o biqueirão e a cavala foram as espécies mais relevantes em valor de vendas, adianta a Docapesca em comunicado.

Em volume, as cinco principais lotas foram as de Sesimbra (29.968 toneladas), Matosinhos (12.886), Peniche (11.744), Aveiro (10.447) e Sines (7.239).

No ano passado, a Docapesca obteve a extensão da certificação do sistema de gestão da segurança alimentar das lotas de Viana do Castelo, Aveiro e Vila Real de Santo António, totalizando sete estabelecimentos certificados. Este processo será reforçado este ano tendo em vista a certificação de mais 10 lotas em 2020.

A Docapesca – Portos e Lotas, S.A. é uma empresa do Setor Empresarial do Estado tutelada pelo Ministério do Mar, que tem a seu cargo, no continente, o serviço da primeira venda de pescado e o apoio ao setor da pesca e respetivos portos, dispondo de 22 lotas e 37 postos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Vendas de pescado atingem recorde de 212 milhões