Alimentação

Visionários como Bill Gates entram no negócio dos hambúrgueres

Impossible Foods: Visionários como Bill Gates entram no negócio dos hambúrgueres

Há empresas a fazerem sucesso com hambúrgueres que, sem conterem carne, são tão saborosos como os originais. Interessados de peso não faltam.

Numa altura em que os estilos de vida e de alimentação saudáveis ganham estão cada vez mais em voga, os maiores empreendedores do mundo não querem deixar de marcar presença num mercado em expansão. É por isso que a mais recente ‘loucura’ dos multimilionários são negócios de comida vegetariana, mais concretamente hambúrgueres.

Sendo o ‘American Burguer’ o prato clássico e favorito da maioria dos norte-americanos, há duas empresas que querem entrar na indústria, tendo a seu favor produtos que não só poupam a vida aos animais como também dos humanos.

Conheça também 17 estrelas de televisão que recebem salários incrivelmente altos


Uma delas é a Impossible Foods, que conseguiu conceber hambúrgueres que “sangram” como os convencionais, com a pequena diferença de ser um produto feito à base de proteína de soja. Esta startup de Silicon Valley – uma das mais promissoras do momento – recebeu, no início deste mês, uma ronda de investimento de 75 milhões de dólares, valor esse que inclui, segundo o Business Insider, apostas de nomes como Bill Gates, Li Ka-shing (o terceiro homem mais rico da Ásia) ou também de fundos de investimentos do governo de Singapura (Temasek) ou da Open Philanthropy Projet, um fundo de investimento gerido por Dustin Moskovitz, co-fundador do Facebook.

Com a atração destes investidores de peso, o capital desta jovem empresa já ultrapassa os 250 milhões de euros, o que vai permitir a expansão do negócio. Assim sendo, a capacidade de produção – já com os novos investimentos – deverá aumentar em 250 vezes, o que permite garantir hambúrgueres suficientes para mais de mil restaurantes.

A grande adversária da Impossible Foods na corrida pelos investimentos é a Beyond Meat, que também captou a atenção do fundador da Microsoft (Bill Gates) e que, tal como a Impossible Foods, diz ser capaz de criar hambúrgueres com o mesmo sabor de um bife, mas feito à base de proteína vegetal. Os restantes investidores – além de Gates – desta empresa não são divulgados, mas a expansão do negócio está garantida, uma vez que a Beyond Meat assinou um contrato com a maior rede de compras nos Estados Unidos, a Kroger. Este acordo surge, por sinal, numa altura em que a empresa já tinha acordos com outras das maiores distribuidoras no país, nomeadamente a Whole Foods e a Safeway.

Passos de ‘gente grande’ dados por ‘miúdos’ no universo empresarial

O que explica tanto interesse de ‘gigantes’ em empresas tão jovens? A audácia. Vejamos o exemplo da Impossible Foods: Apesar de apresentar um produto alternativo, este já é vendido – quase exclusivamente – em hotéis de luxo. Com a nova ronda de investimentos, a empresa vai conseguir produzir, em média, mais de 450 mil hambúrgueres de soja por mês, o que significará que o produto se torne vendável a diferentes tipos de compradores.

Já a Beyond Meat está a caminho de chegar a quase todos os estados norte-americanos. Apesar de já ter assinado parcerias com duas das maiores distribuidoras do país, só o acordo com a Kroger vai premitir à marca estar presente em 700 novos postos de venda, de acordo com a Quartz.

Além disso, e apesar de produzir hambúrgueres à base de proteína vegetal, os produtos da Beyond Meat não são vendidos apenas nas secções de alimentação saudável dos supermercados, mas sim nas bancadas onde estão expostas carnes como a de vaca ou de porco, o que torna o produto apetecível a quem, apesar de não ser vegetariano, seja curioso o suficiente para experimentar algo novo e, possivelmente, tornar-se num novo cliente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

Juros negativos recorde para Portugal no primeiro leilão após saída de “lixo”

Frota da Ryanair está 100% ocupada

Remarcações estão a dar “lucro” à Ryanair

Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Recapitalização da CGD fora do défice se der retorno futuro

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Visionários como Bill Gates entram no negócio dos hambúrgueres