Portugal Exportador

Portugal aposta em novos mercados a oriente

13ª Edição do Portugal Exportador, a decorrer durante o dia de hoje no Centro de Congressos de Lisboa 
Hélder Pedro, ACAP

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )
13ª Edição do Portugal Exportador, a decorrer durante o dia de hoje no Centro de Congressos de Lisboa Hélder Pedro, ACAP ( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Cluster automóvel esteve em destaque na 13ª edição do Portugal Exportador, que decorreu quarta-feira, dia 14, no Centro de Congressos de Lisboa.

Hélder Pedro, secretário-geral da ACAP, destaca a experiência de décadas, a qualidade dos recursos humanos e a existência de uma indústria de componentes para o sucesso internacional do setor automóvel português.

Portugal é considerado um país com uma indústria automóvel consolidada. Esse dinamismo sempre existiu?

Tem sido crescente, pelo seguinte: Portugal tem quatro unidades de produção de automóveis, mas tem uma indústria de componentes. E é importante, quando um fabricante se instala no país, que haja fornecedores de componentes na proximidade das unidades industriais. Por outro lado, sendo uma indústria com várias décadas no nosso país, tem uma massa de recursos humanos muito importante. Aliás, temos quadros da indústria automóvel em fábricas de automóveis nos cinco continentes.

É uma indústria quase inteiramente dedicada ao mercado da exportação.

Exactamente. Praticamente 100% (97%), é destinado ao mercado da exportação e é um dos principais setores exportadores do país. E é curioso referir que exportamos agora para novos mercados como a Ásia e os Estados Unidos mas, maioritariamente, a produção destina-se à União Europeia.

E há potencial de crescimento nesses novos mercados, considerando o alto volume de produção na Ásia?

Nós também temos uma presença grande na nossa produção para o mercado asiático, não só na China como noutros mercados. São mercados onde a presença das exportações portuguesas no setor automóvel tem vindo a crescer e a consolidar-se de ano para ano.

A China, em particular, é um país com potencial de crescimento para o cluster automóvel?

Sem dúvida. Em dez anos, a produção automóvel da China cresceu 227%. A classe média chinesa está em grande crescimento e usa e compra automóveis. A China tem tido um papel crucial para a indústria em termos mundiais, mantendo os níveis de produção que temos hoje, e é algo que vai manter-se no futuro.

A indústria nacional está preparada para os desafios da descarbonização?

Dentro da União Europeia, a indústria automóvel é a que mais aposta em Investigação e Desenvolvimento: tem investido muito na redução das emissões, nos motores de combustão interna e no desenvolvimento dos veículos elétricos, com uma oferta cada vez maior. Em Portugal temos o exemplo da fábrica da Mitsubishi Fuso, no Tramagal, que está a produzir veículos pesados ligeiros elétricos e a exportá-los para todo o mundo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Centeno: Excedente reflete “dinâmica da economia e esforço de investimento”

Outros conteúdos GMG
Portugal aposta em novos mercados a oriente