Como poupar dinheiro em tempos difíceis

Aprenda a poupar sem perder qualidade
Aprenda a poupar sem perder qualidade

Devemos falar de poupar dinheiro e não cortar custos. E é possível ser criativo na forma de poupar dinheiro, defende Nuno Condinho, country manager da Regus Portugal. O responsável da empresa especializada em soluções para escritórios e empresas explica onde pode gastar menos dinheiro sem pôr em causa a qualidade e credibilidade da companhia.

“Quando os tempos estão difíceis, é sempre dado o alerta para
cortar nos custos. Ao longo do século passado, ou ainda antes, os
economistas têm vindo a concluir que, em fases de recessão, cortar
continuamente nos custos faz com que a economia diminua. De uma forma
seletiva, é necessário correr riscos e gastar dinheiro para dar à
economia a capacidade de recuperar e crescer.

O mesmo se aplica às empresas. O campo de batalha empresarial
está repleto de empresas derrotadas que fizeram demasiados cortes,
muitas vezes. Devemos falar de poupar dinheiro e não cortar custos.
E é possível ser criativo na forma de poupar dinheiro. Se precisa
de poupar dinheiro urgentemente, junte a sua equipa de gestão,
reúna-os num local diferente e inicie uma sessão de brainstorming.
As ideias ser-lhe-ão úteis e obterá uma variedade de perspetivas
diferentes.

Uma das coisas a fazer é olhar com atenção para aqueles custos
que consideramos, como ‘fixos’. Por exemplo, se possui
imóveis próprios, pode vendê-los e arrendá-los posteriormente
para gerar receitas; no caso do arrendamento, pode, ainda conceber um
plano comercial que permita uma renegociação viável.

Analise as suas relações com os fornecedores através de uma
nova perspetiva. Trabalhe com eles como parceiros. Os procedimentos
de encomenda e faturação eletrónicos, por exemplo, poupam tempo,
papel e dinheiro. Mas o comprador e o fornecedor têm de
certificar-se de que os seus sistemas são compatíveis. Conheça
melhor os seus fornecedores e mantenha os contratos flexíveis.

Inevitavelmente, precisamos de pensar sempre nas pessoas. Mais
cedo ou mais tarde, a maioria das organizações que tentam poupar
analisa a questão do número de efetivos. Não deveriam
concentrar-se no número de efetivos, mas sim na produtividade. Se as
pessoas são suficientemente produtivas – e, em muitos casos, é
possível calcular que determinado indivíduo é uma fonte de lucro
para a empresa.

Para tornar os profissionais mais produtivos, é
necessário dar-lhes confiança e estar preparado para adotar novas
práticas de trabalho. Algumas pessoas poderiam realizar grande parte
do seu trabalho a partir de casa ou estar mais próximas dos seus
clientes – tal significaria menos custos em termos de espaço de
escritório, para além dos tempos de deslocação para o escritório.
Recorra a videoconferências e poupe dinheiro. Pergunte-lhes como
gostariam de trabalhar e de contribuir para a poupança.

Por último, é necessário considerar a sua cultura empresarial.
Pense em todas as pequenas coisas que pode fazer para promover um
ambiente de trabalho ecológico, energético e económico.

Ao explorar estas e outras possibilidades, poderá aperceber-se da
necessidade de gastar dinheiro para fazer poupanças a longo prazo. O
dinheiro gasto em processos de racionalização ou investido em
sistemas mais inteligentes, bem como o seu investimento inicial,
poderá ser recuperado em pouco tempo através de uma redução da
base de custos permanentes da sua empresa. Talvez deva recorrer a
subcontratação para os procedimentos de backoffice ou que não são
realizados internamente.

Quando se trata de contratar e pagar a profissionais, há um ponto
a favor dos tempos difíceis a nível económico – há mais talento
disponível. Assim, quando encontrar bons profissionais, ofereça-lhes
um bom salário e motive-os. E não descuide a formação.

A minha atitude em relação às despesas é a mesma
independentemente da situação dos mercados. Quando alguém vem ter
comigo e me pergunta se pode gastar dinheiro em alguma coisa,
pergunto sempre: Se fosse o seu dinheiro, gastá-lo-ia?”

Nuno Condinho, Country Manager da Regus Portugal

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Como poupar dinheiro em tempos difíceis