finanças pessoais

Descer o gasto energético, subir a poupança

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A fatura da eletricidade pesa muito no orçamento familiar? Saiba como poupar.

O primeiro passo para reduzir a fatura da eletricidade é traçar um perfil de consumo. Anabela Matos, fundadora da AS Procurement, especialista em otimização de custos, diz que “temos de estar atentos” e perceber o consumo de energia para escolher a tarifa e a potência contratada mais adequadas. “Para alguém que nunca está em casa durante o dia, uma tarifa bi-horária pode ser a mais indicada”, explica a especialista, que aconselha a consulta das tabelas de horários disponibilizadas pelas operadoras.

Para ajudar, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos e a Deco, entre outras entidades, disponibilizam simuladores online que permitem personalizar os casos e comparar preços. Caso se justifique, Anabela Matos aconselha a mudança de operador, porque tarifas mais baixas permitem “uma redução direta” no valor pago ao final do mês. Já a potência contratada está relacionada com o número de aparelhos que pretendemos ligar em simultâneo. “Se conseguir fazer a gestão dos equipamentos, pode contratar uma potência inferior”, aponta. O ajustamento da potência, após o apuramento das necessidades energéticas, é gratuito.

Há mais por onde poupar. Valter Sousa, do departamento de formação e educação da Deco, sublinha a importância da “escolha do equipamento”, através da informação que nos é dada pela etiqueta energética, que permite escolher os eletrodomésticos mais económicos: “É verdade que esses equipamentos são mais caros, mas o investimento inicial compensa a longo prazo.”A regra é escolher, quando possível, os mais eficientes, de classe A+++, e estar atento ao consumo anual previsto na etiqueta (kWh/ano). A EDP dá uma dica: “Multiplicando este valor por 0,2 obtém-se o consumo anual aproximado em euros, o que ajuda a quantificar a poupança.”

Rui Fragoso, diretor do departamento de edifícios da Agência para a Energia, ADENE, ressalva o facto de, em alguns casos, os consumidores poderem “estar reféns do contexto económico” e saberem “que não estão a escolher a melhor opção, mas a possível”. Destaca, então, a importância da informação. Neste âmbito as operadoras têm levado a cabo várias iniciativas, desde guias, a simuladores e programas de promoção. A EDP destaca as ações no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo (PPEC) e a Galp leva a eficiência energética às escolas, com as missões “UP” e “Power UP”. A Deco tem desenvolvido várias iniciativas também no âmbito do PPEC e tem preparada, para o outono, uma campanha para ajudar os consumidores a poupar energia através de uma melhor leitura e compreensão da fatura da eletricidade.

Na primeira metade de 2016, Portugal foi o quinto país europeu com o valor por kilowatt (kW) mais elevado, mostram dados do Eurostat. Superado apenas pela Itália, Bélgica, Alemanha e Dinamarca, cada kW custa, no nosso país, 0.253 euros. A média da Zona Euro é de 0.219 euros. No que diz respeito aos impostos, Portugal sobe ao terceiro lugar do ranking europeu. Perto de 50% do valor pago corresponde a impostos e taxas. E há mais: Portugal é o sétimo país europeu onde os preços mais subiram desde o início de 2015, com aumentos a rondar os 5%. O panorama é preocupante? Sim, mas há vários pequenos gestos diários que ajudam a poupar.

Eficiência. Dicas para pôr em prática já, sem gastar mais

cozinhaNa cozinha, mantenha a temperatura do frigorífico entre os 3ºC e os 4ºC e a do congelador nos -18ºC. Não encha demasiado o frigorífico, deixe arrefecer os alimentos antes de os guardar e mantenha-os bem tapados. O condensador (grelha traseira) deve estar a 10 cm da parede e ser limpo uma vez por ano.

As máquinas de lavar roupa e loiça devem ser usadas com a carga máxima e temperaturas mais baixas. No caso da lavagem de roupa, estes gestos podem reduzir o consumo até 60%. Os filtros de ambos os eletrodomésticos devem ser mantidos limpos. Saiba que lavar os pratos manualmente com água quente consome 40% mais de energia do que a máquina de lavar loiça. Mas se a usar, não se esqueça: espere até ter loiça para a encher.

Sempre que as condições climatéricas permitirem, seque a roupa ao ar livre. Caso tenha que recorrer à maquina de secar roupa, centrifugue a roupa na máquina de lavar a uma velocidade elevada, para retirar o máximo de água possível antes da secagem. Depois, seque as toalhas e as peças mais pesadas separadamente. Já que falamos em roupa: utilize o ferro de engomar apenas quando houver uma grande quantidade de roupa para passar que justifique uma utilização mais prolongada. Adapte a temperatura ao tipo de tecido e comece por engomar as que necessitam de uma temperatura mais elevada. Por fim, desligue o ferro um pouco antes de terminar, para aproveitar o calor residual.

Para cozinhar, opte por panelas e tachos com fundo térmico e de preferência plano, para minimizar o desperdício de calor. O bico da placa ou do fogão não deve ser maior do que a base do recipiente e os recipientes devem ser mantidos tapados durante a confeção para evitar a perda de calor. Caso tenha placa elétrica, desligue-a um pouco antes de terminar, para aproveitar o calor residual. Este conselho aplica-se também ao forno. Enquanto cozinha, evite ao máximo abrir a porta: pode perder até 20% do calor acumulado.

Para pequenas refeições, opte por utilizar o micro-ondas. Gasta cerca de metade da energia de um forno e é muito mais rápido. Evite usá-lo, contudo, para descongelar os alimentos. Prefira, sempre que tiver tempo, descongelá-los ao natural ou no interior do frigorífico. Utilize suportes apropriados para aquecer dois pratos em simultâneo e mantenha o interior do aparelho limpo.

Na sala, desligue da tomada todos os aparelhos. Há dois tipos de desperdício: o consumo stand by e o consumo off mode. Mesmo desligados no botão, continuam a consumir. Com o aparecimento dos serviços triple play, o número de aparelhos nas nossas salas aumentou exponencialmente. Quem tem este tipo de serviço pode poupar até 35€ por ano com este gesto. Não ligue a televisão só para servir de companhia, nem adormeça sem a desligar. Programe o computador para se desligar ou hibernar após meia hora sem uso e diminua a intensidade da luz do monitor. Além de poupar energia, prolonga a vida da bateria. Saiba também que os computadores portáteis gastam até 80% menos do que os desktop.

Na casa de banho, o aquecimento de água pode representar até 26% do consumo elétrico, diz a operadora Iberdrola. Optar pelo duche ao invés de banho de imersão poupa até 75% de energia. Se tiver caldeira, regule a temperatura para os 36º. Uma temperatura entre os 30ºC e os 35ºC é suficiente para um banho confortável.

eletricidadeÉ sobre iluminação a dica de poupança energética mais conhecida, mas que mais vezes esquecemos: apagar as luzes quando se sai de uma divisão. Quando necessitar de substituir lâmpadas fundidas, opte pelas económicas, que reduzem até 80% do consumo e que duram oito vezes mais. Onde necessita de mais luz, durante mais tempo, opte pelas fluorescentes e deixe-as ligadas se vai estar ausente menos de 20 minutos. Mantenha as lâmpadas limpas. Sem pó são mais luminosas. Se tiver que pintar a casa, opte por cores mais claras, que favorecem a reflexão da luz. Sempre que seja possível, aproveite a luz natural.

Na climatização há várias formas de poupar. No inverno, aproveite a luz solar para aquecer o ambiente e no verão abra as janelas à noite, quando a temperatura exterior é mais baixa. Regule a temperatura do ar condicionado para temperaturas confortáveis (entre 18ºC e 21ºC, no inverno, e 23ºC e 25ºC, no verão). Por cada grau adicional, o consumo aumenta entre 7% a 10%. Evite ligar a climatização em zonas da casa que não estão a ser usadas e, quando liga, feche sempre as portas. Certifique-se de que não há nada a bloquear a entrada e a saída de ar do equipamento de climatização e evite colocar o termóstato junto de janelas ou portas. Lembre-se também que uns minutos de ar condicionado podem ser suficientes para arrefecer o ambiente.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Descer o gasto energético, subir a poupança