retalho

Agora já pode comparar preços do Pingo Doce, Continente, Jumbo. E não só

Ainda em versão beta mas já pode ser usado
Ainda em versão beta mas já pode ser usado Foto: D.R.

Pensado para que os portugueses poupem quando querem abastecer as suas dispensas, surge agora Mais Carrinho.com.

Com um avançado motor de pesquisa que elabora uma comparação de preços entre os vários retalhistas, o Maiscarrinho.com consegue relacionar cerca de 80% dos produtos à venda em Portugal.

Com os preços dos artigos do Continente, Intermarché, Lidl, Pingo Doce e Jumbo na sua base de dados, o Maiscarrinho.com conta alargar-se a mais operadores. “A ideia até final do ano é incluir todos os retalhistas de modo a que o consumidor final possa tomar uma decisão de compra acertada”, diz José Silva, um dos fundadores do site.

Destacando que são uma plataforma próxima dos utilizadores, atentos ao que eles querem e pedem, o mesmo responsável adverte que, para já, começaram com aqueles que lhes pareceram “os mais populares e que teriam interesse em dialogar com uma plataforma que no fundo vai promover ainda mais os seus preços, promoções e gerar mais visitas às suas lojas online e físicas.”

Neste sentido, reforça José Silva, “trata-se de uma plataforma genuinamente omnicanal que é oferecida quer às marcas e aos retalhistas, quer ao cliente final.”

8

10 RECEITAS DE TIGELA A NÃO PERDER

Entre outras funcionalidades “inovadoras e disruptivas com aquilo que existe no mercado, podemos apontar a originalidade de um chat (escrevam quem és? e vejam a resposta!) que vai guardando o histórico do diálogo entre o consumidor e a plataforma”, destaca José Silva. Além disso, o chat sugere pesquisas mais refinadas de modo a ajudar o consumidor a encontrar mais rapidamente o que procura.

O Maiscarrinho.com apresenta ainda a funcionalidade de poder listar apenas produtos em promoção foi exigida pelos utilizadores e é considerada chave para o sucesso. O site conta ainda com um carrinho de compras que, nesta fase, vai guardando os produtos, comparando os preços dos cabazes construídos nos diferentes retalhistas. Para além disso, com este carrinho as pessoas podem partilhar a sua lista de compras.

Questionado sobre se o Maiscarrinho.com vai ter aplicação para smartphone (app), José Silva responde que apesar de se uma aplicação web, o seu nível de complexidade coloca-o no patamar do que comummente se considera ser uma aplicação. “É responsivo e multi-plataforma, ou seja, está pensado para qualquer browser ou dispositivo móvel, independentemente do sistema operativo ou tamanho do ecrã”, destaca o responsável.

No entanto, está prevista uma aplicação móvel, mas “apenas quando o número de utilizadores registados justificar funcionalidades relacionadas com a personalização e contexto como é o caso de alertas por geo-localização ou promoções direcionadas”, revela José Silva.

Até lá, ainda existe um longo caminho para a fidelização dos utilizadores. “Existe um roadmap delineado mas somos uma geração de empreendedores digitais que faz evoluir o produto de acordo com as exigências reais dos clientes”, diz José Silva, reforçando que “não faz sentido criar apps só porque sim”. Além de que “uma boa parte dos utilizadores que já usou nos seus smartphones pensou que se tratava de uma verdadeira app”.

Mais Carrinho.com tem o objetivo de chegar a 10% da população portuguesa e o seu responsável explica como. “Por mera coincidência e a meio do desenvolvimento do Maiscarrinho.com, a Deco Proteste publicou um simulador online para localizar o retalhista mais barato numa dada zona geográfica, com base num cabaz de compras médio. O resultado foi que teve quase 800 mil utilizadores. Quase 10% da população que pretendemos atingir até ao final do ano. E tratava-se de um mero simulador de um cabaz pré-criado, sem que o utilizador pudesse escolher ou pesquisar promoções ou produtos diferentes”, explica José Silva.

Fonte de receita do comparador está na popularidade

E o que ganham os criadores do Maiscarrinho.com, uma vez que é uma plataforma gratuita? Afirmando que será sempre uma plataforma gratuita para os seus utilizadores, o mesmo responsável explica que “as formas de monetização são várias e a ativação de cada uma depende do número de visitas e do número de utilizadores registados.”

“É verdade para o Maiscarrinho.com como para outras plataformas semelhantes – o retorno do investimento começa com a popularidade da mesma, ou seja, quanto mais popular mais interesse tem para as marcas, retalhistas e outros parceiros”, explica José Silva.

Ainda em período “versão Beta” serve não apenas para melhorar a plataforma, mas igualmente para entender a capacidade de atração e como todos os players envolvidos se posicionam no “xadrez”. “O que é realmente interessante nesta nova linha de produtos ‘digitais-sociais’ é que todos ganham, nomeadamente o consumidor final. Puro win-win”, destaca o responsável do site que lança uma certeza: “Independentemente do período económico que vivemos hoje ou amanhã, temos a certeza que o Maiscarrinho.com vai ser bastante popular pois no que toca a poupar, poupar diariamente em mercearia, é um assunto sério e todos os portugueses que fazem compras o sabem.”

Tudo começou há um ano

Há cerca de um ano, um dos sócios passou uma temporada em Inglaterra e teve contacto, enquanto consumidor, com uma plataforma do género. Percebeu que era bastante popular e que com a consulta prévia (antes de sair para comprar) conseguia poupar em média 40% nas suas compras. “O desafio tecnológico apresentado era enorme”, lembra José Silva.

Alguns dos atuais sócios já trabalhavam juntos no desenvolvimento de aplicações móveis e a ideia de sermos os pioneiros em Portugal, no setor de produtos de grande consumo, foi então abraçada por todos como um grande desafio. “Não há nada do género em Portugal”, destaca.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

Christine Lagarde, presidente do BCE. Fotografia: REUTERS/Johanna Geron

Lagarde corta crescimento da zona euro para apenas 1,1% em 2020

Outros conteúdos GMG
Agora já pode comparar preços do Pingo Doce, Continente, Jumbo. E não só