5G

Ericsson estima que existam 2,8 mil milhões de subscrições 5G em 2025

5G. Fotografia: Justin Tallis / AFP
5G. Fotografia: Justin Tallis / AFP

A Ericsson reviu em alta as estimativas de ligações 5G em 2025. A previsão anterior estava nos 2,6 mil milhões de subscrições.

A empresa sueca partilhou esta segunda-feira uma atualização sobre as previsões de subscrições de 5G para 2025. Segundo avança a Reuters, a Ericsson espera que, daqui a cinco anos, o número global de subscrições de 5G atinja os 2,8 mil milhões. Anteriormente, a Ericsson falava em 2,6 mil milhões de subscrições a nível global.

Este aumento das subscrições esperadas em 2025 será uma consequência da pandemia de coronavírus, indica a Reuters. A área das telecomunicações tem sido uma das poucas indústrias a registar crescimento durante a covid-19, apesar de toda a incerteza criada pela pandemia. O aumento de tráfego sentido por várias empresas de telecomunicações a nível global é justificado pela expansão do trabalho e ensino remoto durante o confinamento, por exemplo.

Apesar de revelar o aumenta do número de subscrições previstas para 2025, a Ericsson não revela quantas subscrições de 5G é que são esperadas para este ano.

O processo de implementação da quinta geração de redes móveis foi suspenso em vários países devido à covid-19, sendo Portugal um desses casos. Por cá, era esperado o arranque do 5G em junho, após várias fases, como o leilão das faixas de espetro ou a migração da TDT (Televisão Digital Terrestre) – ambos suspensos devido à pandemia.

Note-se que o governo já sinalizou à Altice a necessidade de um novo plano para a migração da TDT e a necessidade de “reavaliar” a estratégia nacional para o 5G para “adotar novas metas, mais adequadas à circunstância em que vivemos”.

A quinta geração de redes móveis (5G) promete maior velocidade no acesso à internet e menor latência, o tempo de resposta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Ericsson estima que existam 2,8 mil milhões de subscrições 5G em 2025