opinião: Filipe Charters de Azevedo