Vodafone IA

Ana Paiva. “A inteligência artificial pode e deve ser usada para o bem social”

A carregar player...

Investigadora do INESC acredita que e possível dotar as máquinas de perceção social, para que possam perceber emoções e adaptar-se a elas

Máquinas e robôs serão capazes de interagir com os humanos de uma forma social? Ou seja, é possível desenvolver equipamentos inteligentes capazes de suportar “inteligência social”? Ana Paiva, professora do Departamento de Engenharia Informática do Instituto Superior Técnico e coordenadora do GAIPS – Grupo de Investigação em IA para as Pessoas e a Sociedade do INESC-ID acredita que sim. Mas reconhece que há desafios a ultrapassar.

Lembrando que “cada vez mais delegamos ações nas máquinas”, deixando que os robôs “assumam cada vez mais tarefas”, a professora sublinha que esta é uma transformação que está “a mudar a nossa sociedade”. Na verdade, defende, “estamos a construir uma sociedade híbrida”, com humanos e chatbots a “trabalhar em conjunto” e daí a importância do trabalho na área da inteligência artificial social, que a Ana Paiva apresentou, esta manhã, na Alfândega do Porto, na Vodafone Business Conference – A caminho do futuro.

O objetivo é que as máquinas tenham uma perceção social, ou seja, que reconheçam o outro, o ambiente e o contexto social em que operam, que sejam capazes de interagir tendo em conta as características individuais, de personalidade e culturais dos indivíduos e, claro, que sejam capazes de reconhecer emoções, aprendendo e adaptando-se aos outros. O i-cat, um pequeno gato-robô que ensina as crianças a jogar xadrez, é um exemplo bem conseguido. “Não só percebe as emoções, como se adapta a elas e responde de acordo com o contexto”, garante.

A investigadora, que está, ainda, envolvida noutros projetos, designadamente de combate ao cyberbulling, acredita que a inteligência artificial dotada de competências sociais “é o futuro”, motivando o desenvolvimento de uma sociedade melhor. “A inteligência artificial pode e deve ser usada para o bem social e Portugal deveria estar na linha da frente”, sublinha.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Vista aérea da Praça dos Restauradores em Lisboa, Portugal, 24 Março de 2020. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A economia entrou em estado de quarentena

Lisboa, 10/05/2019 - Vida do Dinheiro (DN-TSF) - Isabel Furtado, presidente da Cotec e da TMG.
Isabel Furtado
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Covid-19: “Medidas têm de ser estratégicas e não apenas imediatas e impulsivas”

Ursula  von der Leyen, presidente da Comissão Europeia. Fotografia: Kenzo Tribouillard/AFP

Comissão Europeia vai rever proposta de orçamento da UE

Ana Paiva. “A inteligência artificial pode e deve ser usada para o bem social”