Vodafone IA

Conferência Vodafone debate benefícios e desafios da inteligência artificial

imagem_central_Vodafone-Conference_DV

Alfândega do Porto recebe especialistas nacionais e internacionais para falar sobre a IA e a revolução que vai trazer

Em 2030, os avanços resultantes da inteligência artificial vão adicionar 15,7 biliões de dólares à economia mundial, elevando o PIB global em 14%. A previsão é da PwC e coloca em perspetiva o impacto económico que este conjunto de tecnologias terá na próxima década, maioritariamente devido a melhorias de produtividade e personalização. Noutro estudo, a McKinsey identifica o sector das viagens, transportes e tecnologia como aqueles em que a IA poderá ter impacto mais profundo em termos relativos.

Mas a sua influência será transversal e vai ver-se em todas as áreas de produção, serviços e estilo de vida; desde os consultórios médicos às autoestradas, fábricas e salas de estar. Com grande impacto, vem grande responsabilidade, e por isso há questões prementes que têm de ser discutidas antes que seja tarde demais: quem regula a aplicação de IA? Quem evita a sua manipulação negativa? Quem garante que é usada para melhorar a vida dos cidadãos, e não para criar ganhadores e perdedores?

Estas são algumas das questões que serão debatidas amanhã por especialistas nacionais e internacionais na Vodafone Business Conference – A Caminho do Futuro. O evento procura situar a discussão sobre os vários aspetos da inteligência artificial que têm de entrar nas contas das empresas – e das sociedades – já, tais como a reorganização que será necessária quando a automação eliminar postos de trabalho e a IA criar empregos que ainda não existem. Ou as estruturas de governação de dados que assegurem a sua privacidade e inviolabilidade; a garantia de que os algoritmos não contêm preconceitos; e o entendimento transnacional sobre os limites que a utilização deve ou não ter. A CEO da Addo AI Ayesha Khanna e a vice-presidente de inteligência artificial do grupo Sage Kriti Sharma vão explicar a sua visão sobre estes temas macro, enquanto a investigadora portuguesa Ana Paiva irá falar sobre a IA para benefício da sociedade.

A professora do IST, que tem mais de duas décadas de trabalho nesta área, tem também uma visão mais localizada sobre o estado do mercado de inteligência artificia em Portugal, em especial na sua componente científica. A responsável acredita mesmo que o país tem condições para se afirmar, a nível europeu, como centro de excelência nestas tecnologias. Uma crença que, de resto, é partilhada por vários outros especialistas e empresários ligados ao sector, como Vasco Pedro, CEO da Unbabel, e Paulo Novais, presidente da Associação Portuguesa Para a Inteligência Artificial.

A conferência será também palco da apresentação das conclusões da 3ª edição do Barómetro de Tendências Globais da Vodafone, que pela primeira vez inclui Portugal e tem como um dos focos precisamente a inteligência artificial.

A operadora, que já utiliza serviços alimentados a IA dentro das suas operações internas, está também a posicionar-se no mercado como fornecedora de soluções que abrem caminho para a aplicação de inteligência artificial. O propósito de juntar empresários, académicos e especialistas nesta área na Alfândega do Porto, onde decorrerá a conferência, é suscitar a discussão e posicionar-se nela, numa altura em que está a ser preparada uma estratégia nacional para a IA e que muitas empresas começam, como se vê pelos resultados do Barómetro, a planear a sua introdução.

Saiba mais em http://vodafonebusinessconference.dinheirovivo.pt

VDF_Business_Conference-05
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Conferência Vodafone debate benefícios e desafios da inteligência artificial