Web Summit 2018

Solução para carros autónomos vale prémio de melhor startup da Web Summit

Alex Kendall da startup Wayve, vencedor do prémio Pitch.
(Filipe Amorim / Global Imagens)
Alex Kendall da startup Wayve, vencedor do prémio Pitch. (Filipe Amorim / Global Imagens)

Britânicos da Wayve propõem condução autónoma baseada apenas no cérebro dos carros e não em dezenas de câmaras ou sensores

Condução autónoma baseada apenas no cérebro dos carros e não em dezenas de câmaras ou sensores, como faz a concorrência. Esta foi a proposta da Wayve que conquistou o prémio Pitch, de melhor startup da edição de 2018 da Web Summit. A empresa fundada em Cambridge, Reino Unido, quer lançar esta tecnologia nos carros daqui a cinco ou seis anos e está atenta às cidades portuguesas para os testes, conforme explicou Alex Kendall, um dos fundadores, em conferência de imprensa após a entrega do troféu, esta quinta-feira.

“Estamos a desenvolver um sistema de condução autónoma que está mais focado na inteligência e no cérebro do carro do que em dezenas de sensores. Se tivermos 100 câmaras e lasers no nosso veículo, ele fica bastante confuso em relação ao que quer fazer, porque podem discordar uns dos outros. Temos de nos focar na inteligência do carro, que tem de compreender o ambiente e as decisões que tem de tomar. É nessa tecnologia que os humanos poderão confiar”, explicou este fazedor britânico aos jornalistas.

Atualmente, a Wayve está a fazer os primeiros testes no Reino com várias unidades do Renault Twizzy, que tem incluído um software para que o carro aprenda por si próprio a guiar sozinho. Isto é possível graças à tecnologia de computer vision, em que os computadores têm um grande nível de compreensão de tudo o que está em seu redor.

O desenvolvimento da condução autónoma, desta forma, pode ser mais barato do que a restante concorrência tem feito “nos últimos dez anos e que não tem tido grandes progressos”.

“O nosso objetivo é construir um sistema que aprende a guiar com base no que vê e que não precisa de mapas. Podemos testar isso no Porto e gostaríamos de fazer o mesmo em Lisboa. Ainda temos vários anos de desenvolvimento de produto pela frente para ganhar maturidade mas espero que possamos começar a testar em larga escala nos próximos dois anos, em 2021”, referiu Kendall.

Depois de 2021, a Wayve quer começar a disponibilizar a tecnologia ao mercado nos dois seguintes. Em 2023 ou 2024, a solução desta startup estará em 100 cidades de todo o mundo, prevê este fazedor.

Prémio sem dinheiro

A vitória no concurso da Web Summit, no entanto, não vai representar qualquer encaixe financeiro para a startup britânica, ao contrário do que aconteceu em anos anteriores.

“O prémio é o troféu e a oportunidade de falar convosco [os jornalistas]. Irá permitir obter muito crescimento para nós e abrir-nos várias portas”, referiu Kendall perante a imprensa portuguesa, que tomou de assalto um dos fundadores da Wayve.

A ausência de prémios financeiros deverá dever-se à falta de patrocínios a esta competição. Nos anos anteriores, marcas como a Mercedes ou a Coca-Cola atribuíram um cheque à melhor startup desta concurso.

Os finalistas

Entre as mais de mil startups que concorreram este ano, apenas três foram as finalistas desta competição. Além da Wayve, foram selecionadas a FactMata e a lvl5 (lê-se level).

A FactMata é uma startup que quer combater as notícias falsas através de uma ferramenta de inteligência que classifica automaticamente a qualidade e credibilidade de cada notícia. Esta solução tanto funciona para as empresas de comunicação social como para as empresas de publicidade, que passam a saber onde devem colocar os seus anúncios.

A lvl5 também está a desenvolver uma solução para os carros autónomos mas que dispensa os mapas, graças à triangulação do sinal em três dimensões. Esta foi a startup eleita pelos utilizadores da aplicação da Web Summit, que também participaram na votação. No entanto, como os votos do público só têm uma ponderação de 25%, a vitória foi para a Wayve.

(Notícia atualizada às 18h48 com mais informação sobre a Wayve)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

Centeno diz que abrandamento da economia esconde muitas coisas boas

Cristina Casalinho, presidente do IGCP

Portugal paga menos de 2% na última emissão de dívida do ano

Terminal (Naviport) do Porto de Setúbal com milhares de carros da Autoeuropa que estão bloqueados esta semana com a paralisação dos estivadores do Porto de Setúbal.
(A-gosto.com/Global Imagens).

Autoeuropa tem 5000 carros parados no porto de Setúbal

Outros conteúdos GMG
Solução para carros autónomos vale prémio de melhor startup da Web Summit