Web Summit 2019

Edward Snowden na Web Summit. O que tem para dizer o homem que arriscou tudo?

Edward Snowden
Reuters

Cabe ao norte-americano, em asilo político na Rússia, inaugurar a edição deste ano da Web Summit, numa conversa certamente focada na privacidade.

Nunca um analista de sistemas foi tão conhecido quanto Edward Snowden. Cabe ao norte-americano, em asilo político na Rússia, inaugurar a edição deste ano da Web Summit, numa conversa certamente focada na privacidade.

Na última edição do evento dedicado à tecnologia e empreendedorismo, o tema da privacidade já era ‘quente’ – ainda para mais no ano em que se tornou conhecido o caso Cambridge Analytica. Em 2018, a presença de Christopher Wylie, a voz que denunciou as práticas da empresa britânica e a forma como os dados foram usados para influenciar momentos políticos relevantes, era esperada com expectativa.

Mas, antes de o tempestivo homem de cabelo cor-de-rosa ganhar o título de “whistleblower”, já o analista de sistemas e ex-agente da NSA, CIA e DIA tinha “soprado o apito”, com a denúncia de um esquema massivo de videovigilância nos Estados Unidos.

“Enquanto for vivo, hei-de lembrar-me de tentar explicar aos meus colegas como o nosso trabalho estava a ser usado para violar os juramentos que tínhamos feito e do encolher de ombros verbal com que me respondiam: «E que podes tu fazer quanto a isso?»”, escreveu Edward Snowden, no livro lançado recentemente, “Vigilância Massiva, Registo Permanente”.

Em 2013, Snowden denunciou o esquema de videovigilância e tornou-se, automaticamente, persona non grata aos olhos dos Estados Unidos. Como escreve nas páginas do livro, assim que teve a oportunidade, “resolveu soprar o apito” – toda a informação altamente confidencial que tinha sobre o esquema de vigilância da Agência de Segurança Americana foi enviado a jornalistas.

Acusado de espionagem, Snowden fugiu para Moscovo, na Rússia, onde está há quase seis anos, em asilo político. É a partir da capital russa que fará uma comunicação para o palco global da Web Summit, através da Internet, numa conversa com James Ball, da organização britânica Bureau of Investigative Journalism.

O facto de ser um fugitivo aos olhos dos Estados Unidos não é sinónimo de silêncio – pelo menos para Edward Snowden. Com o passar dos anos, tornou-se uma figura reconhecida, seja pelos documentários ou filmes sobre o seu percurso, e uma voz crítica do panorama atual da privacidade.

Nos últimos tempos, as entrevistas habitualmente curtas que concedia, passaram a ser longas conversas – um caso recente é a conversa de quase três horas com o humorista Joe Rogan ou a entrevista a Kara Swisher, no podcast Recode Decode. As declarações de Snowden variam de tom – tanto podem ir desde temas ligados até à vida extraterrestre como à vigilância através de smartphones. “Falo sobre aliens e rastos químicos e coisas assim e sobre o facto de que não há provas sobre isso. Fui à procura na rede”, explica Snowden.

‘Armas’ apontadas às big tech

Num tom mais sério, critica aquilo que descreve como o estado atual da vigilância, que hoje está ainda mais focada nas comunicações móveis do que em 2013, quando Snowden revelou o esquema de vigilância. “O mobile já era uma coisa grande, mas a comunidade de inteligência ainda estava a tentar pôr as mãos na situação e lidar com isso, mas hoje as pessoas têm ainda menos probabilidade de usar um portátil ou um desktop”, explicou a Joe Rogan.

Com um mercado de sistemas operativo dividido entre o Android da Google e o iOS da Apple, Edward Snowden classifica as duas opções como “pouco seguras”. “Tanto os equipamentos da Apple como os equipamentos Android, infelizmente, não são especialmente bons a proteger a sua privacidade”. “Os movimentos do telefone são como os movimentos que fazes enquanto pessoa – e esses são, muitas vezes, formas bastante únicas de identificação”, explica o antigo analista da NSA.

Para Snowden, ter um telefone é sinónimo de garantir que deixou de existir informação efémera. “Onde é que se vai depois de uma separação? Com quem é que se passa a noite? A quem é que se liga? Tudo isto era informação que costumava ser efémera, que desaparecia pela manhã. (…) Ninguém se iria lembrar, mas agora está tudo guardado”.

“Não interessa se não estavas a fazer nada de mal, não interessa se és a pessoa mais desinteressante do planeta, porque é uma coleção [de informação] a granel, é esse o eufemismo do governo para como funciona um sistema de vigilância em larga escala”, explicou Snowden.

Mas não é só a Apple ou a Google que são referidas nas afirmações de Snowden. Depois de ter denunciado a vigilância da NSA, explicou a Kara Swisher que é um “erro” achar que a agência norte-americana representa uma maior ameaça à privacidade do que as grandes tecnológicas.

“O propósito interno do Facebook, quer seja divulgado publicamente ou não, é compilar registos perfeitos das vidas privadas, na máxima capacidade, e explorar isso para o enriquecimento da própria empresa”, contou à jornalista do Recorde. “Isto [recolha de dados] é precisamente aquilo que a NSA faz. A Google tem um modelo muito semelhante”.

Edward Snowden vai mais longe, explicando inclusive que o sistema desenvolvido pela NSA não seria possível sem a recolha de dados assegurada pelas tecnológicas. Ainda assim, o delator aponta que estas empresas “ainda não sabem tanto quanto o governo, que consegue recolher informação de muitas plataformas tecnológicas”.

Edward Snowden estará, à distância, na Web Summit deste ano, na qualidade de presidente da fundação Freedom of the Press, a partir das 18h30 desta segunda-feira, dia 4 de novembro. A conversa será focada nos acontecimentos que levaram o norte-americano de 36 anos a denunciar o esquema de videovigilância de larga escala.

A cerimónia de abertura deste ano

No dia de abertura, as atividades arrancam no palco principal com os grupos de startups, com empresas como a Fyde, Barkyn, Casafari, Tonic App ou a Stratio, entre outras. Depois da passagem de Paddy Cosgrave pelo palco e da intervenção à distância de Snowden, segue-se uma conversa sobre o mundo tecnológico português, com a presença de Daniela Braga, criadora da DefinedCrowd, e de Michelle Zatly, co-fundadora da Cloudflare, empresa que escolheu Lisboa para a abertura de um novo escritório.

Está também na agenda a intervenção de Guo Ping, rotating chairman da Huawei, que explicará os planos da empresa chinesa para a rede móvel 5G. A intervenção é feita numa altura de guerra comercial entre Pequim e Washington, que colocou os holofotes internacionais a incidir na segurança dos equipamentos e infraestrutura de rede móvel 5G da Huawei.

No plano da sustentabilidade, o palco principal recebe ainda a presença de Jaden Smith, Gary White e Paul O’Callagahn, para uma conversa sobre a importância da poupança de água.

A cerimónia oficial de abertura da Web Summit estará a cargo do Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e de Paddy Cosgrave, CEO e co-fundador da Web Summit.

A Web Summit 2019 decorre de 4 a 7 de novembro, no Parque das Nações, em Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Edward Snowden na Web Summit. O que tem para dizer o homem que arriscou tudo?