Web Summit 2019

Nokia e Siemens estão a contratar 200 engenheiros em Portugal

Antonio Costa com o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, no anúncio da criação do centro de excelência em Portugal.
ANTONIO COTRIM/LUSA
Antonio Costa com o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, no anúncio da criação do centro de excelência em Portugal. ANTONIO COTRIM/LUSA

Empresa finlandesa reforça aposta no país com novo Centro de Excelência e já está a recrutar.

Primeiro-ministro António Costa enaltece escolha e define foco na matemática como prioridade para aumentar engenheiros em Portugal.

Em plena Web Summit, a Nokia anunciou um novo Centro de Excelência, focado no digital, “que vai desempenhar um papel à escala global”. Ursula Soritsch-Renier, chief information officer (CIO) da multinacional finlandesa, explicou ao Dinheiro Vivo a opção por Portugal: “Já temos uma relação antiga com o país e um centro com duas mil pessoas por cá [na Amadora]. Temos visto um ecossistema no país cativante, onde o talento e competência, a habilidade linguística e a própria localização geográfica se destacam”, diz a responsável, que agradeceu também o apoio do governo.

A empresa finlandesa adiantou que está a viver uma transformação global das suas operações e, com centros como este, espera criar uma estrutura de IT sólida que suporte a crescente procura de redes e serviços 5G, cloud e Internet das Coisas. O centro em Portugal, que será um acrescento às instalações já existentes na Amadora, procura profissionais de várias áreas, “tais como solution owners e solution architects, software developers, gestores de produto e de projeto”.

Ursula Soritsch-Renier explica que começou já a fazer vídeos no YouTube e iniciativas no LinkedIn em Portugal para começar a atrair talento português. “Vamos ter uma equipa multinacional, mas com mais portugueses e, por isso, precisamos de mostrar que a empresa tem uma atmosfera atrativa com projetos interessantes”.

António Costa, que falou no stand da StartUp Portugal após o anúncio oficial, enalteceu a confiança da Nokia no país e o reconhecimento do talento português, considerando ser um “sinal motivador” que tem um significado para a sociedade portuguesa. “Mostra que investir na educação é uma oportunidade para Portugal”.

Questionado pelo Dinheiro Vivo sobre a crescente falta de engenheiros para uma procura mais acentuada – com a chegada de cada vez mais empresas tecnológicas ao país -, o primeiro-ministro admitiu que “temos de alargar a base de formação da engenharia, por isso é fundamental termos uma ação específica para aquela que é uma barreira fatal para o acesso às engenharias que é a matemática”. António Costa explicou que “uma das prioridades do governo nesta legislatura é, no âmbito do combate ao insucesso escolar, eliminar essa barreira de problemas com a matemática”, considerando “ponto-chave da política de educação”.

Siemens abre ao mundo 100 vagas para Portugal

Também na Web Summit, Pedro Pires de Miranda, CEO da Siemens Portugal, anunciou, em conversa com o primeiro-ministro, um reforço do investimento no país no fabrico de carregadores para veículos elétricos – com uma expansão da fábrica de Corroios. Haverá também uma aposta na contratação de mais engenheiros para a Siemens Portugal, “num recrutamento que será feito a nível mundial”. “Vamos atingir essa meta de recrutamento durante a Web Summit”, adiantou o responsável.

No evento de Lisboa, a Siemens avançou que recebeu 450 visitas internacionais – a maior delegação de sempre da empresa na Web Summit -, considerando que esta é uma forma de reconhecimento da Siemens Portugal no palco internacional. Pires de Miranda deixou ainda um pedido ao primeiro-ministro: que possa inaugurar o centro de excelência em software da Siemens.

siemens

O primeiro-ministro, António Costa, com Pedro Pires de Miranda, CEO da Siemens Portugal

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Nokia e Siemens estão a contratar 200 engenheiros em Portugal